O que é EMDR?
(Eye Movement Desensitization and Reprocessing / Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares)

 

EMDR-cópia

Existe uma gama de acontecimentos que podem causar um trauma, mas sua instalação está diretamente relacionada à capacidade emocional, que inclui preparo e maturidade do indivíduo para lidar com aquela situação assustadora; desta forma, uma ocorrência pode ser extremamente traumatizante para uma pessoa e ser mais facilmente elaborada por outra.

O EMDR é um método revolucionário criado pela Dra. Francine Shapiro, psicóloga americana – PhD, no final da década de 80. Inicialmente era utilizada para pacientes que sofriam de stress pós-traumático, hoje seu uso foi ampliado para outras patologias bem como para a otimização do desempenho. Cresce a cada dia o número de estudos científicos assegurando a eficácia do tratamento e manutenção dos resultados obtidos.

Nosso cérebro possui recursos para realizar a cura de suas feridas emocionais, da mesma forma que nosso corpo cura nossas feridas físicas. O processo de EMDR direciona nosso cérebro para a cura.

Existem algumas etapas, para aplicação do EMR, mas o básico é composto de: estimulações sensoriais bilaterais que promovem o fluxo de energia entre diferentes regiões cerebrais de ambos os hemisférios, integrando as informações e transformando-as. Em todo o processo, o paciente mantém-se consciente. Inicialmente eram usados apenas os movimentos oculares (lembre-se: no sonho os olhos se movem quando dormimos), depois se percebeu que sons e toques bilateralizados tinham o mesmo efeito.

Quais são as vantagens do EMDR?

Rapidez – O fluxo rápido e intenso do processamento traz agilidade ao tratamento.

Mudança global – Nossos sintomas e dificuldades têm componentes de várias regiões do cérebro. No EMDR há interconexão das regiões relacionadas independente de sabermos quais elementos estão sendo integrados e em que proporção. Nossa certeza é que a integração caminha no sentido da cura.

Rastreamento – Podemos não saber exatamente qual é o trauma, mas o sistema de processamento de informação e adaptação tem a capacidade de rastrear o problema. Há um verdadeiro instinto para a cura.

Exposição reduzida – Muitas vezes o paciente está cansado de falar sobre o que aconteceu ou tem vergonha. A fala necessária no EMDR é reduzida o importante é processar.

Fisiologia – o paciente não apenas pensa a melhora ele sente a melhora. O EMDR é um processo fisiológico que caminha na direção da coerência e da harmonia interna do corpo e entre o corpo e o meio ambiente. Sendo um processo fisiológico pode ser visto através de tomografia (SPECT).

O reprocessamento significa a atribuição de novos sentidos, mais positivos a experiências traumáticas. Trata-se de uma ressignificação que permite a transmutação de crenças negativas (como por exemplo: sou suja, a culpa pelo que houve foi minha) em auto avaliações positivas (fiz o melhor que pude, sou uma pessoa confiável, etc).

Indicações

Pessoas de todas as idades podem usufruir dos benefícios do EMDR tanto para a terapêutica como para a otimização do desempenho. Indivíduos com deficiência auditiva ou visual também se beneficiam, pois a estimulação bilateral pode ser visual, auditiva ou tátil. A aplicação do EMDR é ampla, abaixo algumas possibilidades:

Baixa autoestima; Bullying; Dificuldades de aprendizagem; Gagueira; Pânico; Depressão; Fibromialgia; Transtorno bipolar; Fobias; Dificuldades de relacionamento; Timidez; Problemas relacionados ao desempenho sexual; Somatizações; Excesso de ansiedade, ciúmes, culpa, tristeza, raiva, vergonha, medos; Dor fantasma; Stress pós-traumático; Memórias perturbadoras; Pesadelos recorrentes; Perda de entes queridos; Vítimas de catástrofes naturais, acidentes em geral e de violência verbal, corporal, sexual.

A Associação Psiquiátrica Americana recomenda o EMDR como um dos principais métodos da atualidade para o tratamento de situações traumáticas. Entretanto, novas aplicações têm sido voltadas para o tratamento de doenças psicossomáticas. Contudo, é um trabalho que exige um profissional clínico devidamente capacitado somente psicologos e psiquiatras certificados pelo EMDR Institute, dos Estados Unidos, podem aplicar o EMDR.

Referências Bibliográficas:

GRAND, D. Cura Emocional em Velocidade Máxima: o Poder do EMDR. Brasília: Nova Temática,
2007.
MORA, F. Continuun: Como o Cérebro Funciona? Porto Alegre: Artmed Editora S.A., 2004.
SERVAN-SCHREIBER, D. Curar: O Stress, A Ansiedade e a Depressão sem Medicamento nem
Psicanálise. São Paulo: Sá Editora, 2004.